A plenária estadual que o Observatório Popular de Política sobre Drogas – OPPD Racial promoveu em Belo Horizonte produziu alguns resultados que positivos.
A atividade, que foi acolhida pelo Conselho Regional de Psicologia de Minas Gerais (CRP-04), contou com a participação de representações da Secretaria Estadual de Direitos Humanos, Participação Social e Cidadania e da Secretaria Estadual de Saúde, além de entidades dos movimentos sociais, como a União de Negros Pela Igualdade (Unegro), a Coordenação Nacional de Entidades Negras (Conen), do Coletivo de Entidades Negras em Minas Gerais (CEN-MG) e da União da Juventude Socialista (UJS).
As discussões sobre as realidades se apresentaram de forma crítica e contundente, destacando os impactos, as fragilidades e as deficiências produzidas pelo racismo institucional na oferta das políticas públicas. De acordo com Dicota Dijanganga, coordenadora estadual do CEN em Minas Gerais, a entidade “tem desenvolvido muitas ações no estado, sendo esta plenária da OPPD sobre a política de drogas mais uma das atividades necessárias”. “Tem mulheres de 60 anos consumindo crack, e isso fala muito. Precisamos cuidar disso”, afirma a ativista.
Já o coordenador de Saúde Mental da Secretaria Estadual da Saúde de Minas Gerais, Eduardo Ornellas, afirmou que “nas questões relacionadas às drogas precisamos sair na punição e partir para o cuidado, fazendo isto de maneira transversal”.
Como resultado da plenária, ficaram os seguintes encaminhamentos:
1) A OPPD foi convocada pelo representante da Secretaria de Direitos Humanos para a realização de uma nova plenária, mas direcionada ao quadro de servidores e gestores públicos, abrindo para participação popular na mês de novembro, o que me parece muito positivo uma vez que permite um diálogo mais direto;
2) O CRP04 convocou o represetante da OPPD na plenária, Gabriel Teixeira, para participar do Psicologia Em Foco, a fim de que apresentar a proposta do OPPD e sua relação com a psicologia;
3) O CEN foi convidado a participar das comissões: a) Laicidade, b) Relações Étnico-Raciais, c) Direitos Humanos.
4) A Secretaria da Saúde se disponibilizou para convocar técnicos que atuam no interior com as questões de álcool e outras drogas para participarem da nova plenária.
Desta forma, a realização da plenária teve um impacto positivo permitindo desdobramentos que possibilitem à OPPD um maior alcance de público naquele estado.

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *